meninos filmados pela 1ª vez numa era pré-DVD, internet e com Pinochet no foder.

"Em março de 1986 fui expulso do colégio (Acadêmico, no Humaitá, Rio, que hoje deu lugar a prédios) e por sorte/azar, meu pai (que morava em Santiago, Chile), estava no Rio e me levou com ele. Em Santiago eu estudava de manhã e de tarde meu pai arrumou um estágio numa produtora de vídeo de um amigo dele, isso na era U-matic/Beta e o VHS profissional sendo também usado. Um pouco antes da minha volta ao Brasil e à cidade calamitosa, peguei emprestada uma câmera VHS na produtora e um colega filmou uma manhã na nossa escola, LICEU7, em Santiago, Chile, com seus 1000 alunos engravatados, a imensa maioria sem malícia alguma, até aparecer uma câmera... As 2 horas filmadas viraram estes 11 minutos por vezes inacreditáveis, com certezas únicos!" 

"A ideia era registrar tais acontecimentos, pessoas, sons e relevos geralmente frios, cinzas, de um país também afogado numa ditadura como sempre covarde e violenta. Um colégio com 1000 alunos, de 14 a 18 anos, todos de paletó e gravata, sapato, tons escuros, fechados, reprimidos seja na vida ou em suas sexualidades, obviamente em formação (como a minha tambem, claro). Praticamente quase todos que aparecem eram ainda virgens, também porque no Chile nesta época havia toque de recolher todos os dias, e celulares nem internets tinham chegado ao planeta... A vontade de se expressar contra essa repressão às liberdades creio que fica muito clara no filme, já que nada foi encenado e ninguém ali havia visto de perto uma câmera de filmar!"

"Claro que eu não sabia que, 20 anos depois, teria minha própria produtora (WSET) e tal material, 1 VHS com 2 horas gravadas, não estaria já perdido em mofos e/ou mudanças variadas. As 2 horas viraram 11 minutos do mais puro registro de jovens super repremidos desde sempre e loucos para se expressarem, seja de forma lúdica, violenta, sexuada e/ou graciosa."